Artista Do Mês

Artista do Mês: DPR IAN

Nome: Christian Yu
Idade: 33 anos
Origem: Sydney, Austrália
Artistas favoritos: Daft Punk, Parkway Drive, DPR Live
Para quem gosta de: Jackson Wang, Woosung, BIBI

Christian Yu – mais conhecido como DPR IAN – é um artista australiano que vem furando a bolha cada vez mais. Com 3 álbuns lançados, o solista conseguiu impressionar o público mundial com seu talento, carisma, sinceridade e um conceito único – onde ele deixa as portas abertas para seus fãs conhecerem seus pensamentos por completo. 

Ian passou por diversas fases quando falamos de sua carreira musical. Em uma entrevista para a Teen Vogue, ele revelou que a primeira vez que se sentiu inspirado foi após assistir o musical de Cats com sua mãe. 

“Aquilo me surpreendeu muito. Depois de assistir o musical, o primeiro pensamento que tive foi: ‘Uau, eu realmente quero compartilhar o que sinto agora com alguém’. Fui para a escola no dia seguinte e estava tentando falar sobre o que vi e como me senti… é quase impossível traduzir esse sentimento diretamente para outra pessoa, especialmente para alguém que não estava presente naquele contexto.. Esse foi o meu primeiro momento ‘aha’. Pensei que eu só tinha que encontrar maneiras de apresentar [o que eu gosto] de uma forma que eles entendam o contexto e consigam sentir o que eu sinto.”

Em meados de 2008, ele decidiu criar um canal no YouTube onde mostrava seu talento na dança e, anos depois, acabou sendo recrutado como líder em um grupo de K-Pop – intitulado C-Clown – onde se apresentava sob o nome Rome

Porém, não demorou muito para Ian perceber que o K-Pop não era para ele, principalmente com toda a estrutura e hierarquia limitadora que ele vivia por trás desse modelo na época. Crescendo com a sede de fazer algo único e inovador na indústria musical, Ian também se consolidou como um dos fundadores do DPR (Dream Perfect Regime), um coletivo de artistas que constroem sua própria música de maneira independente, cuidando de todas as etapas – desde a composição até a edição e, até mesmo, marketing – sozinhos. 

Além de cuidar completamente de sua própria carreira, Christian também já esteve responsável pela direção e edição de videoclipes para outros artistas, como HOLUP do Bobby, Wake Me Up do Taeyang e Body do MINO.

Vida no K-Pop e início do DPR

Se definindo como uma pessoa espontânea, Christian saiu da Austrália e se mudou para a Coreia do Sul na adolescência por conta de sua paixão pela dança. De acordo com ele, havia mais interesse no estilo b-boying – dança na qual ele se especializou – na Coreia do que em seu país natal, o que despertou o interesse dele em se mudar.  

“Na época, eu nem sabia falar coreano direito. Mas, mesmo assim, eu comecei a bater de porta em porta – sim, em portas aleatórias – perguntando se as pessoas queriam dançar comigo. Se elas não sabiam [dançar] eu tentava convencer que eu podia ensiná-las. Eu estava desesperado assim. Eu estava esperando ganhar alguma conexão com as pessoas para começar algum movimento diferente.”

Nessa época, ele foi recrutado pela Banana Culture Entertainment – uma das maiores empresas de entretenimento no país – e fez sua estreia oficial no K-pop em 2012, como líder do grupo C-Clown. Porém, durante esse período ele se viu extremamente preso criativamente, além de se sentir maltratado por figuras gerais da indústria, e reforçou ter aguentado continuar enquanto pôde. Após decidir deixar o grupo, Ian também revelou que sua agência não o deixava quebrar o contrato, o que fez com que ele precisasse desaparecer da mídia por um bom tempo.

“Quanto mais antiga a geração de ídolos do K-pop, obviamente mais difíceis eram os contratos. A minha empresa era uma das que mantinham aquela atitude da velha geração em relação aos seus artistas. Você ouve o tempo todo sobre artistas processando suas empresas. Mas tive a infelicidade de fazer parte desse tipo de experiência. O que passei foi bastante traumático. Tudo estava acontecendo tão rápido que eu não conseguia parar para processar o que estava acontecendo. Não podia acreditar que era assim que estávamos sendo tratados, e foi muito difícil porque eu estava preso em um contrato. Mas isso foi a anos atrás, hoje está bem diferente. Acho que está melhorando por conta de todos esses movimentos que falam sobre o problema atualmente. Quero dizer, durante esse período [que eu era idol], não havia nada parecido. Acabei tendo um grande problema com o sistema.” – Ele disse a Teen Vogue.

Porém, a mudança de Ian para a Coreia do Sul também trouxe coisas boas. Durante a época que ele postava vídeos no YouTube, um menino chamado Hong Dabin (DPR LIVE) mandou uma mensagem privada para falar sobre a dança do australiano e eles começaram a conversar. Mais tarde, ambos – em conjunto com os produtores CREAM e REM – se juntaram para formar o Dream Perfect Regime, mais conhecido como DPR. 

A DPR Crew é formada por artistas independentes que fazem todo processo musical em suas carreiras, desde a composição até as estratégias de divulgação. Ela conta com diferentes produtores, compositores, cantores, rappers e DJs e atualmente inclui IAN, LIVE, CREAM, ARTIC, JOON, JOHN, CLINE, EDDIE e HYUNSOO – que passam por diferentes estilos e diferentes públicos.

Apresentação do MITO ao público

Em 2021, Ian lançou o Moodswings In This Order, seu primeiro EP como solista. Explorando diferentes gêneros musicais, que vão desde o R&B até o pop rock misturado com elementos de EDM, o artista revelou que o álbum foi uma maneira de expressar seu dia-a-dia para os fãs, com o intuito do público entender um pouco mais como funciona sua própria cabeça.

Quando adolescente, Christian foi diagnosticado com transtorno de bipolaridade e, desde então, passa por estados de manias frequentemente. Pensando nisso, ele decidiu criar um personagem para representá-lo em seu estado mais obscuro – como um alter ego – e o apelidou de MITO. Moodswings In This Order foi a grande revelação de seus verdadeiros sentimentos ao público, onde ele fala sobre suas trocas de personalidades e como isso afeta suas experiências pessoais.

Para ter certeza de que iria representar seu transtorno o mais fielmente possível, Ian se dedicou completamente ao processo criativo do álbum, dirigindo e editando todos os clipes, além de escrever e compor todas as músicas. Ele também fez um mini documentário para explicar a bipolaridade na sua rotina e apresentar oficialmente MITO ao público.

“No geral, eu queria retratar um personagem lidando com vários transtornos mentais que podem ser considerados negativos ou sombrios em um sentido realista mas que, ao mesmo tempo, também podem ser vistos como super poderes sob uma luz diferente. É também um reflexo de quem eu sou como pessoa – sendo alguém que lida com esses ‘transtornos mentais’, eu queria remover esse estigma e apenas dar um toque artístico a isso, porque no final das contas é realmente tudo sobre expressão para mim.” – Ian para Billboard.

No ano seguinte, o solista lançou seu primeiro álbum, intitulado Moodswings In To Order, uma sequência de seu primeiro EP. O projeto se aprofunda nas questões de saúde mental e transtorno bipolar de Christian através de sua vivência como MITO, incluindo um novo curta-metragem sobre a jornada do alter ego do artista.

“Precisávamos transformar isso em um curta-metragem, você sabe, quase como um musical. Eu danço, atuo porque quero contar melhor minha história. É por isso. Não porque quero ser ator, não porque quero ser um bom dançarino. Quero ser bom nisso para melhorar ainda mais a história que conto.” – revelou ele para NME.

Além de apresentar sua história ao público, Christian também revelou que, ao personificar seus estados de mania, conseguiu se entender mais. Isso acontece porque – muitas vezes – ele não se lembra de como esteve quando entrou em um estado de mania então, ao deixar meios para MITO se expressar (como letras de músicas que o alter ego escreve), ele consegue conhecer um pouco mais do seu próprio outro lado.

DPR pelo mundo

A partir de 2022, os artistas da DPR se juntaram para a turnê mundial Dream Perfect Regime Tour. Para a surpresa e felicidade dos fãs brasileiros, a rodada de shows teve uma parada confirmada em São Paulo para outubro daquele mesmo ano na Audio Club e – provando o sucesso enorme da crew no país – todos os ingressos foram vendidos em menos de 1 hora após a abertura das vendas.  

No dia do show, Ian se sentiu tão abraçado pelo público do Brasil que acabou desabafando sobre seu estado mental, revelando que havia tido algumas recaídas nos últimos dias em questão de sua bipolaridade, se vendo em momentos obscuros e difíceis de passar. Porém, ele também confessou que quando pisou no palco para se apresentar em São Paulo pela primeira vez e sentiu a paixão e a energia do público, começou a se sentir melhor, agradecendo os fãs por isso. 

“Senhoras e senhores, se vocês amam algo… a vida é muito curta. Você precisa fazer o que você ama. Não deixe ninguém te colocar para baixo. E está tudo bem não estar bem”.

E foi assim que o solista fez uma dos shows mais emocionantes e memoráveis que São Paulo já viu. Em uma noite onde todos se sentiam confortáveis e abraçados, Ian entregou um conceito impecável que – mostrando uma vulnerabilidade impressionante – fez a plateia se conectar instantaneamente com o artista. Além disso, Christian mostrou um talento nato com suas danças e vocais que chegavam a arrepiar – incluindo até mesmo momentos onde ele mostrava diferentes habilidades para o público, como quando ele surpreendeu tocando baixo.

Durante essa rodada de apresentações, DPR Ian também mostrou que realmente estava furando a bolha ao ser convidado para estar na line-up de grandes festivais de música, como o Coachella e o Lollapalooza Chicago, junto ao seu companheiro musical DPR Live – além de ambos também estarem presentes na trilha sonora de Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis com a faixa “Diamonds + And Pearls”.

Dear Insanity…

Durante o lançamento de Moodswings In To Order, Ian lançou a música “Mr. Insanity”, que falava um pouco sobre um lado um tanto quanto diferente da sua personalidade e da personalidade do MITO. Então, ele revelou que se tratava de um novo personagem na história da sua jornada, que representava seus altos maníacos – onde ele ficava mais ativo, energético e imprevisível, ao contrário de quando ele tem seus estados de mania mais obscuros com MITO.

“Muitas vezes, quando eu entro no meu estado alto maníaco, me dissocio de quem sou, por causa do quão radical e maluco fico com as ideias. Acho que um bom exemplo é Batman e o Coringa. Você entende melhor o Batman através do Coringa, percebe o que o Batman é capaz de sentir e vê isso de diferentes perspectivas – mas é apenas através da construção do relacionamento deles. Você deixa para o público escolher qual deles pode ser o vilão e qual deles é o super-herói. Então era isso que eu queria fazer neste EP.” – disse ele ao Grammy.

Mas, mesmo colocando seus sentimentos mais puros a público a todo momento, Ian reforça que ele não espera que suas músicas sejam uma resolução para os problemas de ninguém. De acordo com o próprio, a motivação dele transformar suas dores e alegrias em arte é causar uma compatibilidade com o público, já que pode ser reconfortante saber que alguém que você gosta e admira passa pelas mesmas coisas que você e sabe o que você está sentindo. Para ele, esse é o seu real objetivo como artista.

PARA ASSISTIR:

WITC recomenda:

  • Dope Lovers
  • Mood
  • Don’t Go Insane

Confira também nosso carrossel no Instagram:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.