Matéria

Eduardo Kobra assina o pôster para 3ª edição do Rio Montreux Jazz Festival que acontecerá em outubro

Evento acontece no Rio de Janeiro entre os dias 12 e 14 de outubro

Rio Montreux Jazz Festival 2023 – Kobra

O Rio Montreux Jazz Festival convidou o artista plástico Kobra para desenvolver o pôster da terceira edição do evento, que acontecerá no Rio de Janeiro entre os dias 12, 13 e 14 de outubro de 2023. Como tradição do Festival de Montreux na Suíça, que acontece desde 1967, os pôsteres são um patrimônio evento e uma importante peça de comunicação do festival. Seguindo a tradição aqui no Brasil, o Rio Montreux Festival traz esse DNA do festival suíço desde sua primeira edição em 2019.

“Sempre gostei muito do trabalho do Kobra, gosto da sutilileza, da leveza e do seu preciosismo que aborda em suas obras. Quando conversamos  e fiz o convite, ele ficou muito feliz e disse que seria muito especial na carreira dele. Topou de cara”, diz Marco Mazzola, CEO do Rio Montreux Jazz festival, que fez o convite a Kobra.


O processo de criação

O artista, que se especializou em trabalhar com diferentes materiais ao longo de sua carreira, reforça que o principal componente para o desenvolvimento do pôster do Rio Montreux Jazz Festival 2023 foi a inspiração. A obra remete aos movimentos das mãos nos instrumentos musicais. Kobra destaca como esses movimentos, tão diferentes entre os instrumentos, acabam interconectados.

Quando percebi isso, vi que poderia compor, literalmente, a minha peça com essa sensação – retirando os instrumentos e deixando apenas os movimentos das mãos“, conta Kobra. “Esse convite me permitiu trazer um pouco do meu trabalho, que tem conexões com a música há alguns anos. E agora, poder refletir isso em um pôster que é icônico, simbólico, na cidade do Rio de Janeiro é muito consistente. E aqui pude trazer também um toque de brasilidade“, finaliza.

O destaque está nas razões que levaram à criação desta peça. A partir desse momento, Kobra utilizou papel cartão, lápis e borracha – técnica antiga e bem simples -, somando depois canetas poskas coloridas, para criar os primeiros movimentos que imaginou. 

Após essa etapa, o artista fez uma pesquisa mais aprofundada sobre os movimentos reais das mãos dos músicos com seus instrumentos, aprofundando e evoluindo os primeiros desenhos do papel cartão. Nesse momento, Kobra traz o aerógrafo, com uma técnica mais de sombreamento e de ilustração. Na sequência, as imagens foram escaneadas e finalizadas digitalmente. 

Eduardo Kobra em processo criativo

Kobra e a música
Ritmos como hip hop e street tiveram forte influência na história e trajetória de Kobra como artista. Com a oportunidade de viagens por diversos países, o contato com diferentes estilos musicais teve impacto direto em seu trabalho e processo criativo. 

Quero dar minha contribuição para esses gênios da música, sobre os quais estou sempre aprendendo e espalhando murais pelo mundo inteiro. É muito significativo para a minha trajetória poder contribuir com o pôster, que é uma peça que fica para a história, em um festival dessa magnitude, com essa relevância mundial“, reforça Kobra. 

A trajetória do artista

Artista plástico de 48 anos, Eduardo Kobra tem 3.000 murais, em cerca de 35 países, incluindo diversas cidades e estados brasileiros e dois murais que já entraram para o Guinness World Record como “o maior mural do Mundo”. Entre grandes nomes da música já retratados por Kobra em suas criações estão Bob Dylan, Dizzy Gillespie, Amy Winehouse e Janis Joplin.

Pôsteres das edições brasileiras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.